Imprimir

Medium

Fundo
Fernando Pessoa
Cota
BNP/E3, 14C – 74
Imagem
[Sobre Gustave Flaubert]
PDF
Autor
Fernando Pessoa

Identificação

Titulo
[Sobre Gustave Flaubert]
Titulos atríbuidos
Edição / Descrição geral

[BNP/E3, 14C – 74]

 

Este trait do carácter de Flaubert permite enveredar por um caminho inesperado. Nada há de mais burguês que este “escusa-de-me-contradizer-que-eu-sei-que-tenho-razão.” Leva-me isto a notar, não sem um sorriso – que os grandes estetas, artistas {…} e outros que guincham, bradam, trovejam contra o burguês, se mostram invariavelmente burgueses no carácter.

Afinal nada há para admirar. Os aristocratas que riem do povo são geralmente[1] muito povo no caracter. O verdadeiro aristocrata – deve o meu amigo ter notado – nunca fala mal do povo, nunca faz troça dele, justamente porque a troça, o desprezo, não são dum verdadeiro aristocrata. Os {…} da nobreza que têm desprezos e sarcasmos {…} e {…} para o povo não raro são os descendentes de cocheiros divinizados, de {…} e de moços de esquina que as circunstâncias fizeram alcoviteiros de um rei, que de resto a aristocracia é sempre do carácter. Um aristocrata não se diferencia do povo sendo grosseiro para ele, porque

 

[74v]

 

ser grosseiro é ser deles. Nem sendo irónico, malicioso, cáustico para ele; porque ser irónico, malicioso e cáustico é apenas ser grosseiro delicadamente o que continua a ser ser grosseiro, visto que o hábito faz o monge. Dizia-me uma vez um aristocrata do seu país: “diante de mim não admito que se injurie o povo, mesmo como reconhecimento à natureza, porque se não houvesse povo, não havia aristocracia; portanto ou eu acho valor em ser aristocrata, ou não acho; se não acho, é pouca estupidez gabar-se disso injuriando os que o não são; se acho, devo notar que só o sou por haver povo e aristocracia. É como se a criança insultasse a ama que a leva ao colo, pelo surpreender de ser levada ao colo. E se a ama a pusesse no chão? – Estas sábias considerações fazia-as um nobre inglês. Também em nenhum outro país seria qualquer nobre de nobreza capaz de as fazer. Não vale a pena insistir.

  

 

[1] geralmente /sempre\

Notas de edição

Classificação

Categoria
Literatura
Subcategoria

Dados Físicos

Descrição Material
Dimensões
Legendas

Dados de produção

Data
Notas à data
Datas relacionadas
Dedicatário
Destinatário
Idioma
Português

Dados de conservação

Local de conservação
Biblioteca Nacional de Portugal
Estado de conservação
Proprietário
Historial

Palavras chave

Locais
Palavras chave
Nomes relacionados

Documentação Associada

Bibliografia
Publicações
Fernando Pessoa, Escritos sobre Génio e Loucura, Edição de Jerónimo Pizarro, Lisboa, Imprensa Nacional-Casa da Moeda, 2006, p. 435-436.
Exposições
Itens relacionados
Bloco de notas