logotipo Modernismo

  Arquivo Virtual da Geração de Orpheu

 

 

Vitalismo

Segundo a concepção filosófica, o Vitalismo funda-se na primazia da Vida, uma vez que postula a existência de um impulso vital que faz com que os organismos vivos distingam-se dos inertes. Funda-se, também, na reconversão da vivência do Tempo, na superação da dor na consciência do sujeito inexorável, no combate à ética espiritual cristã. Essa perspectiva expande-se pela Europa em fins do século XVIII e esteve eivada de herança rousseauniana e de jacobinismo (termo que, na altura, qualificava pessoas da pequeno-burguesia, geralmente ligadas à maçonaria e defensores da democracia). Esses princípios embasam o Vitalismo (ou Neo-Romantismo Vitalista) surgido nos primeiros anos do século XX em Portugal (a volta de 1902) e decorrido ao longo dessa primeira década (entra em linha descensional com a Proclamação da República em 1910). 

Essa tendência reúne jovens escritores e críticos republicanos, como João de Barros, Mayer Garção, Sílvio Rebello e Manuel Laranjeira (o núcleo desse pensamento no Porto), que têm Teófilo Braga e Basílio Teles como mestres doutrinários. Além daquelas diretrizes filosóficas, orienta-os o voluntarismo nietzschiano, o intuicionismo bergsoniano e as tendências socialistas libertárias. A sua reação, numa perspectiva ampliada, dá-se contra o predomínio (maléfico) secular da cultura apolínea no mundo ocidental, contra o esteticismo clássico e contra a tradição do ascetismo cristão; pontualmente, reage contra o final de século, contra a idéia de decadência; contra a concepção de símbolo, carregado de sugestão, dos simbolistas; contra a evasão para a ruralidade castiça e a apologia do patriarcado rural. As suas principais revistas foram: Revista Nova (1901-1902), Mocidade (1901-1905), Arte & Vida (1904-1906).

Manuel Laranjeira, já em 1901, no artigo “Arte Nova”, indicou a linha doutrinária do Vitalismo: segundo Laranjeira, a Arte acompanha a evolução do conceito de Vida, visto que aquela, como esta, “é evolutiva”. Desse modo, a Arte torna-se “símbolo da Vida e não o indefinível da Vida” (como entendeu que os simbolistas compreendiam a Arte) e é compatível com a ciência. Esse conceito embasou o seu argumento de que a “Arte Nova” deveria ser “positiva, orientada por um determinismo bioanímico”; deveria ser “pujante estímulo de Vida” e, conseqüentemente, seria expectativa de uma “larga fase de humanidade, útil” para produção artística realizada sob a égide vitalista. Laranjeira trata também dos artistas de gênio, que percebem que a linguagem é “indissociável da modalidade mental” e que, portanto, a forma é inseparável da concepção do objeto artístico.

O Vitalismo postula a soberania do indivíduo, numa perspectiva, entretanto, muito diferente da que prevalecia na conjuntura em que surgiu. Valorizava o indivíduo não no sentido do insulamento ou do ensimesmamento ou do egotismo depressivo, mas sim em tudo o que, nele, indivíduo, era manifestação da expansão vital: a palavra, a libido, o desejo e fruição íntimos, a inteligência intuitiva, a energia instintiva, em resumo, a plenitude íntima que faz do indivíduo unidade vital capaz de resistir às e rebater as convenções, valores e pressões do contexto social em que vive. Disso resulta poesia lírica combativa, apoiada no clamor experiencial e com propósito de intervenção social. Por sua índole republicana, o Vitalismo congregou autores cuja origem sócio-econômica era a pequena e média burguesia e autores vindos das camadas operárias. Sob o viés vitalista também se assistiu ao aumento de jornais, muitas vezes de números únicos, em que a literatura apresentava-se como apostolado estritamente ligado à luta contra instituições e valores dominantes.

Apoiados na lucidez e no racionalismo, os vitalistas rebatem o obscurantismo de todas as formas de dominação e opressão do indivíduo, sejam elas políticas ou religiosas, sejam elas de convenção ou de consciência, que retiram do sujeito a tenacidade e expansão vital. Se há alguma religiosidade possível para os vitalistas é a religiosidade ancestral, de pulsão vitalista e emancipalista. Decorreria desses valores doutrinários a arte que seria “expressão rítmica da natureza” e seria norteada pelo “senso estético [facultado apenas aos verdadeiros artistas], que é o sentido da harmonia” – para evocar a concepção de arte vitalista de Coelho de Carvalho (O Vitalismo na Arte [Carta ao poeta Augusto Gil]), que reitera que todo e qualquer convencionalismo e estilização na poesia, na Arte, é contrário à “natural expressão da vida”.

Ao Vitalismo aderem, além dos já citados, António Patrício, Augusto Gil, João Lúcio, Fausto Guedes Teixeira, Augusto Casimiro, Nunes Claro, Bernardo de Passos, Sílvio Rebelo e João de Barros – nome de grande relevância no movimento. Barros insiste na missão cívica do escritor e na estreita relação dialética entre literatura e sociedade na medida em que não só a segunda age sobre a primeira, mas, sobretudo, que a primeira tem de intervir na segunda, atuando sobre a vida nacional.  Nesse sentido de intervenção norteada pela ética moral, social e racional, defendeu a doutrinação pedagógica e a política instrutiva. Escreveu, dentre outros, Frente a Frente (1903), Terra Florida (1909), Ansiedade (1913), Oração à Pátria (1917), D. João (1920).

Afonso Lopes Vieira junta-se, em meados da primeira década de 1900, à corrente militante (João de Barros, Manuel Laranjeira, Nunes Claro, Álvaro de Castro) reunida em torno da Revista Nova e até por volta de 1908 colabora em revistas ligadas ao Vitalismo (Neo-Romantismo Vitalista). Nessa tendência, enquadram-se O Pão e as Rosas (1908), Canções do Vento e do Sol (1911), que, entretanto, estão ainda muito ligados ao lirismo tradicional lusitanista, além da conferência “O povo e os poetas portugueses” (1910). Como João de Barros, Lopes Vieira critica o obscurantismo jesuítico e, desse modo, colabora no sentido da intervenção cívico-pedagógica como pretenderam os vitalistas.

 

 

BIBLIOGRAFIA: Manuel Laranjeira, “Arte Nova”, in Revista Nova, n.º 2, 25 de abril de 1901; Coelho de Carvalho, O vitalismo na Arte (Carta ao poeta Augusto Gil), Lisboa, 1905; AA.VV. Homenagem a João de Barros, Lisboa, 1952; José Carlos Seabra Pereira, O Neo-Romantismo na Poesia Portuguesa (1900-1925), Tese de doutoramento, Universidade de Coimbra, 1999; idem, Do fim de século ao tempo de Orpheu, Coimbra, Livraria Almedia, 1979.

 

 

Annie Gisele Fernandes

 

 

 

 

DICIONÁRIO

 

Verbetes publicados no Dicionário de Fernando Pessoa e do Modernismo Português,

coordenado por Fernando Cabral Martins,

Lisboa, Caminho, 2008.

 

Revistos em 2017.