Imprimir

Medium

Fundo
Fernando Pessoa
Cota
BNP/E3, 14-3 – 59
Imagem
[Sobre Orpheu]
PDF
Autor
Fernando Pessoa

Identificação

Titulo
[Sobre Orpheu]
Titulos atríbuidos
Edição / Descrição geral

[BNP/E3, 143 – 59]

 

Como foi a revista “Orpheu” que lançou em Portugal as sementes do neo-simbolismo e do sensacionismo portugueses, e implicitamente do futurismo, e como os dois colaboradores dela que focaram escândalo foram Mário de Sá-Carneiro e eu, e Mário de Sá-Carneiro está morto, acharam bem que eu fosse incumbido de prefaciar esta compilação.

 

|Devo dizer que não me acho incompetente para isso. Esta declaração tem, pois, as duplas honras de ser verdadeira e de não ser modesta, qualidades ambas raras, pelo menos do avesso.|

 

Por “documentos” não se entende aqui os verdadeiros documentos, que são as obras de arte; entende-se[1] os escritos, da natureza de manifestos, que tendiam a explicar, quando não esses vários movimentos conjuntos, pelo menos as suas tendências. Também se omitem os documentos contrários: esses são contrários. Omitem-se ainda os documentos de movimentos ou pessoas mentais derivadas do neo-simbolismo e do sensacionismo. São sombras.

 

Nasci, como toda a gente, incluindo os historiadores, incompetente para escrever história. Não narrarei, portanto, senão factos. Direi muito por alto o que foi o neo-simbolismo português, o que foi o futurismo português, o que foi o sensacionismo português.

 

---

 

Os movimentos estão sempre começados antes de começar, nas individualidades separadas que os começam juntas. O neo-simbolismo e o sensacionismo explodiram juntos no “Orpheu”, cujo número 1, saiu em 2- de Março de 1915. Já antes, porém, havia sinais dessa tendência – sinais visíveis e sinais invisíveis. Havia os livros “A Confissão de Lúcio” e “Dispersão”, de Mário de Sá-Carneiro, que são do ano de 191_; havia o número único da revista “A Renascença” (data) que continha a colaboração neo-simbolista de Fernando Pessoa, de Mário de Sá-Carneiro, de ------------- Havia já, no número --- de “A Águia”, revista saudosista do Porto (onde já, no nº 4, Fernando Pessoa havia anunciado a “próxima vinda” do “super-Camões”) colaboração neo-simbolista deste mesmo Fernando Pessoa e de Mário de Sá-Carneiro; de Fernando Pessoa um trecho interseccionista – o primeiro – intitulado “Na Floresta do Alheamento” (que depois deu a citação epigráfica à “Confissão de Lúcio”), de Sá-Carneiro o conto “O Homem dos Sonhos”, mais tarde reeditado em livro (“Céu em Fogo”). No número --- da mesma “Águia” apareceu ainda outro conto neo-simbolista de Sá-Carneiro, “O Fixador de Instantes”, reeditado também no citado “Céu em Fogo”, que é de 1915 (Maio). Como o movimento estava em marcha, é claro, antes de começar, outras mostras haverá da sua existência que ou desconheço ou de que não me recordo. Creio que as que citei são as principais. Refiro-me em tudo isto a indícios visíveis, isto é, a coisas publicadas.

 

 

[1] entende/|m|\-se

Notas de edição

Classificação

Categoria
Literatura
Subcategoria

Dados Físicos

Descrição Material
Dimensões
Legendas

Dados de produção

Data
Notas à data
Datas relacionadas
Dedicatário
Destinatário
Idioma
Português

Dados de conservação

Local de conservação
Biblioteca Nacional de Portugal
Estado de conservação
Proprietário
Historial

Palavras chave

Locais
Palavras chave
Nomes relacionados

Documentação Associada

Bibliografia
Publicações
Fernando Pessoa, Sensacionismo e Outros Ismos, Edição de Jerónimo Pizarro, Lisboa, Imprensa Nacional – Casa da Moeda, 2009, pp. 213-214.
Exposições
Itens relacionados
Bloco de notas