Imprimir

Medium

Fundo
Fernando Pessoa
Cota
BNP/E3, 14E – 5
Imagem
[Sobre Mário de Sá-Carneiro]
PDF
Autor
Fernando Pessoa

Identificação

Titulo
[Sobre Mário de Sá-Carneiro]
Titulos atríbuidos
Edição / Descrição geral

[BNP/E3, 14E – 5]

 

“Morrem Jovens os que[1] os Deuses amam”: é um preceito da sabedoria antiga. E por certo, a imaginação, que figura novos mundos, e a arte, que em obras os finge, são os sinais notáveis desse amor divino. Não concebem os Deuses esses dons para que sejamos felizes, senão para que sejamos seus pares. Quem ama[,] ama só a igual, porque o faz igual com amá-lo. Por isso nos chamam, ou com a morte que nos afasta dos homens, ou com a desgraça que a afasta de nós.

Não teve |Mário de| Sá-Carneiro nem alegria nem felicidade nesta vida. Só a arte, que fez ou que sentiu, lhe serviu de refúgio e de consolação. São assim os que os Deuses fadaram seus. Nem o amor os quer, nem a esperança os busca, nem a glória os aceita. Hoje, mais que nunca, se sofre a própria “grandeza”. As plebes de todas as classes cobrem, como uma maré morta, as ruínas do que foi grande e as sementes dispersas do que poderia sê-lo. O circo, mais que em Roma que morria, é hoje a vida de todos, porém alargou seus muros até aos confins da terra. A glória é dos gladiadores e dos jograis. Nada nasce de grande que não nasça maldito, nem cresce de nobre que não definhe, crescendo. Se assim é, assim seja. Os Deuses o quiseram assim. Começou dispersos submersos {…}

Por isso hoje, mais que em outro tempo, se aplica à verdade a[2] sentença dos antigos. Se os Deuses os fadaram sem amor, morrem velhos e tristes, íncolas do desprezo e da execração.[3] Se com amor os fadaram, têm a felicidade de não durar. |Assim, num só gesto dos Deuses, recebeu Sá-Carneiro a grandeza e a morte: deram-lhe a maldição sublime do génio no abraço de fogo com que, queimando-o, o converteram na sua própria ígnea substância divina.|

--------

Alberto Caeiro é, cremos, o maior poeta do século vinte, porque é o mais completo subversor de todas as sensibilidades diversamente conhecidas, e de todas as fórmulas intelectuais variamente aceites. Viveu e passou obscuro e desconhecido. É esse (dizem os ocultistas) o distintivo[4] dos Mestres.

Os próprios gregos da grande[5] Grécia, criadores do Objectivismo, não atingiram[6] o Objectivismo Transcendente do assombroso português, a quem a Fama nada deu, porque ele nada lhe pediu; nem, se lhe pedisse[7], ela, (hoje tão injustamente pródiga) saberia que dar-lhe.

A nossa gratidão vai para os srs. António Caeiro da Silva e Júlio Manuel Caeiro, a cuja cortesia devemos a cedência destes poemas. A obra do Mestre compõe-se, além de destes, que formam o seu único livro inteiro, de “outros poemas e fragmentos”. Confiamos em que os seus detentores não tardarão em dá-la à publicidade, se não à celebridade, porque essa só a obtêm (hoje), parece, os que a não merecem.

A obra de Caeiro é mister que seja lida com uma atenção nova. Tudo é novo ali. Nem a substância intelectual, nem a arte das imagens, nem a própria figuração verbal têm precedentes nem alianças. Só a forma se ressente da indisciplina e da incoerência da nossa época. Os inovadores, por grandes que sejam, não podem ser tudo. E os grandes homens, disse Goethe, são da sua época só pelos seus defeitos.

 

[5v][8]

 

__________________________________________

  1. Ave atque vale.
  2. Sá-Carneiro.
  3. António Botto.
  4. Caeiro.
  5. Raul Leal.
  6. Montalvor.
  7. Fernando Pessoa.
  8. Álvaro de Campos.

 

 

[1] os que /quem\

[2] a /Na\

[3] do/a\ desprezo /indiferença\ e /ou\ da execração. /(;)\

[4] distintivo /(sinal)\

[5] grande /vera\

[6] atingiram /alcançaram\

[7] pedisse /(pedira)\

[8] 20/1/1923

I have outwatched the Lesser Wain, and seen

The remnant stars turn pale. But the used night

Has to no purpose[8] † my sleep, nor been

More long than it turned hours with no[8] delight. Thought’s the

Of all vain efforts, Learning’s vainest is.

Of all failed purposes, to know is most.

Effort’s own self is bother to no bliss.

But useless effort seeks but to have but

To lose in that and gain’s indeed to have lost.

So, day on day[8], I see the pale lost stars

Uselessly seen, and more on more I save

From the Time’s despair naught but whose being insane

And not, deep that many call to have

Idle in stress, because the use is none.

Having; deprived; soon having not begun.

Notas de edição

Versão dactilografada, com apontamentos manuscritos, do testemunho impresso publicado por Fernando Pessoa com o título: «Mário de Sá-Carneiro (1890-1916)», in Athena, nº2, Lisboa, Novembro de 1924, pp. 41-42.

Classificação

Categoria
Literatura
Subcategoria

Dados Físicos

Descrição Material
Dimensões
Legendas

Dados de produção

Data
Notas à data
Datas relacionadas
20/1/1923
Dedicatário
Destinatário
Idioma
Português

Dados de conservação

Local de conservação
Biblioteca Nacional de Portugal
Estado de conservação
Proprietário
Historial

Palavras chave

Locais
Palavras chave
Nomes relacionados

Documentação Associada

Bibliografia
Publicações
Publicações parciais: Pauly Ellen Bothe, Apreciações literárias de Fernando Pessoa, Lisboa, Imprensa Nacional-Casa da Moeda, 2013, p. 501. Teresa Rita Lopes, Pessoa por Conhecer, Vol. II, Lisboa, Livros Horizonte, 1990, p. 432. Fernando Pessoa, Obra Completa de Ricardo Reis, Edição de Jerónimo Pizarro e Jorge Uribe, Lisboa, Tinta-da-China, 2016, pp. 354; 491.
Exposições
Itens relacionados
Bloco de notas