Imprimir

Medium

Fundo
Fernando Pessoa
Cota
BNP-E3, 19 – 110, 88 – 31
Imagem
[Sobre o Sensacionismo]
PDF
Autor
Fernando Pessoa

Identificação

Titulo
[Sobre o Sensacionismo]
Titulos atríbuidos
Edição / Descrição geral

[BNP/E3, 19 – 110, 88 – 31]

 

The social transformation which has been taking place in Portugal for the last three generations, and which culminated in the establishment of the Republic, has been, as is natural, accompanied by a concomitant transformation in Portuguese literature. The two phenomena have a common origin, in the essential changes which have, with increasing rapidity, been taking place in the very bases of the national consciousness. To attribute the literary change to the political one, or the political one to the literary one would be as erroneous. Both are manifestations of a fundamental transformation which the national consciousness has undergone and is undergoing.

The literary change, represented by the definite rupture with Portuguese literary traditions, can be taken as having a definite begging with Antero de Quental and the Coimbra School, though it had necessarily been[1] preceded by hints and attempts at such a change, going back as far as 1770 to the forgotten José Anastácio da Cunha (a greater poet than he over-rated and insupportable Bocage); José Anastácio, with his complex culture (he knew, besides the usual French, English and German and translated from Shakespeare, Otway and Gessner) represents the first white glimmer of dawn on the horizon of Portuguese literature, for he represents the first attempt to dissolve the hardened shape of traditionalist stupidity by the usual methods of multiplied cultural contacts.

The Romantics continued this work in their half-hearted and lukewarm way; the insufficient power of their action can be measured by the circumstance that the strongest influence they brought into literature was the decadent classicist Castilho, whose

 

[110v]

 

damaging sway covers with its leaden influence some thirty years of Portuguese literature, a little recreation of the Dark Ages in modern Portugal, if it had not been for the parallel existence of real renovating forces, mounting up from Garrett to Guilherme Braga, to Antero de Quental, Guerra Junqueiro (first manner)[2] and Cesário Verde, who was the first to see in Portuguese Poetry, the clearest vision of things and their real presence which can be found in modern literature.

The new introduction of culture contacts took place round 1890 with the bringing in of symbolist and decadent influences through Eugénio de Castro and António Nobre, Guerra Junqueiro (second manner). As the first, it was received with violent disapproval, as every new thing is.

From António Nobre the pantheist movement (which the Porto monthly A Águia represents) gradually worked itself up through Afonso Lopes-Vieira (since fallen into imbecility), to António Correia de Oliveira up to the full transcendental pantheism of Teixeira de Pascoaes, one of the greatest of living poets and the greatest lyrical poet Europe now has, if only justice could be done to him. Guerra Junqueiro, as usual, by dint of his extraordinary (and thoroughly Portuguese) adaptability to new circumstance, followed this movement also, and the “Oração à Luz”, though it has no equal in modern poetry outside Wordsworth’s great Ode, cannot however reach the pure flight and wild spirituality of Pascoaes’ great Elegia (in Vida Etérea).

The central fault of the saudosists, however, was that, what they gained in depth they lost in surface; that while their great merit and originality was gained by a descent (never before realised) into the depths of national consciousness – which the old poets never approached, for Camões is an Italian and Gil Vicente only superficially

 

[88 – 31r]

 

Portuguese, this of necessity involved a sacrifice of the culture contacts which are indispensable to the essential vitality and greatness of a national literature.

The sensationist movement (represented by the Lisbon quarterly “Orpheu”) represents the final synthesis. It gathers into one organic whole (for a synthesis is not a sum) the several threads of modern movements, extracting honey from all the flowers that have blossomed in the gardens of European fancy. It has gathered into one whole the several movements representing the so-called Decadence, the national movement of which saudosismo is the completion and the more modern currents, of which cubism and futurism are the degenerate expression and which have their remote origin, through Whitman, in no less unexpected a person than William Blake.

The Sensationists have caused {…}

 

It has thus added to the fundamental nationalism of the saudosistas the multiplied culture-contacts which the Coimbra School {…}

 

[BNP/E3, 19 – 110, 88 – 31]

 

A transformação social que tem ocorrido em Portugal nas três últimas gerações, e que culminou com a implantação da República, tem sido, como é natural, acompanhada por uma concomitante transformação na literatura portuguesa. Os dois fenómenos têm uma origem comum, nas mudanças essenciais que têm, com crescente rapidez, ocorrido nas próprias bases da consciência nacional. Atribuir a modificação literária à política, ou a política à literária seria um erro. Ambas são manifestações de uma transformação fundamental que a consciência nacional atravessou e está a atravessar.

A modificação literária, representada pela ruptura definitiva com as tradições literárias portuguesas, pode ser considerada como tendo o seu início definitivo com Antero de Quental e a Escola de Coimbra, embora tenha sido precedida por indícios e tentativas no sentido de tal modificação, que recuam a 1770 ao esquecido José Anastácio da Cunha (um poeta maior do que o sobrevalorizado e intolerável Bocage); José Anastácio da Cunha, com a sua cultura complexa (conhecia, para além do habitual francês, inglês e alemão, tendo traduzido textos de Shakespeare, Otway e Gessner), representa o primeiro vislumbre branco na alvorada do horizonte da literatura portuguesa, pois representa a primeira tentativa de dissolver a forma endurecida da estupidez tradicionalista por meio dos habituais métodos de contactos culturais multiplicados.

Os românticos continuaram este trabalho no seu modo desanimado e morno; o insuficiente poder da sua acção pode ser medido pela circunstância de que a influência mais forte que trouxeram à literatura foi o decadente classicista Castilho, cujo

 

[110v]

 

domínio nocivo abrange com a sua pesada influência cerca de trinta anos de literatura portuguesa, uma pequena recreação da Idade das Trevas em Portugal Moderno, se não fosse pela existência paralela de forças realmente renovadoras, que vão de Garrett a Guilherme Braga, a Antero de Quental, Guerra Junqueiro (primeira maneira) e Cesário Verde, que foi o primeiro a ver na poesia portuguesa a clara visão das coisas e a sua presença real que pode encontrar-se na moderna literatura.

A nova introdução de contactos culturais aconteceu por volta de 1890 com a inserção das influências simbolistas e decadentes através de Eugénio de Castro e António Nobre, Guerra Junqueiro (segunda maneira). Tal como a primeira, foi recebida com reprovação violenta, como acontece como cada coisa nova.

A partir de António Nobre o movimento panteísta (que é representado pelo mensário do Porto A Águia) começou gradualmente a trabalhar-se desde Afonso Lopes-Vieira (caído, desde então, na imbecilidade) a António Correia de Oliveira atá ao pleno panteísmo transcendental de Teixeira de Pascoaes, um dos maiores poetas vivos e o maior poeta lírico da Europa, se se pudesse fazer-lhe justiça. Guerra Junqueiro, como de habitual, por força da sua extraordinária (e inteiramente portuguesa) adaptabilidade a uma nova circunstância, também seguiu este movimento, e a “Oração à Luz”, embora não tenha equivalente na poesia moderna à excepção da grade Ode de Wordsworth, não consegue, contudo, alcançar o puro voo e espiritualidade selvagem da grande Elegia de Pascoaes (em Vida Etéria)

O principal defeito dos saudosistas, contudo, foi que, o que ganharam em profundidade perderam em superfície; que enquanto o seu grande mérito e originalidade foi alcançado por uma descida (nunca antes atingida) nas profundezas da consciência nacional – de que os anteriores poetas nunca se aproximaram, pois Camões é um italiano e Gil Vicente apenas superficialmente

 

[88 – 31r]

 

Português, isto necessariamente implicou um sacrifício de contactos culturais que são indispensáveis à vitalidade essencial e grandeza de uma literatura nacional.

O movimento sensacionista (representado em Lisboa pelo trimensário “Orpheu”) representa a síntese final. Reúne num todo orgânico (pois a síntese não é uma soma) as várias linhas dos movimentos modernos, extraindo o mel de todas as flores que floresceram nos jardins da imaginação europeia. Reuniu num todo os vários movimentos que representam a chamada Decadência, o movimento nacional de que o saudosismo é a completude, e as mais modernas correntes, de que o cubismo e o futurismo são a expressão degenerada e que têm a sua origem remota, através de Whitman, na inesperada pessoa de William Blake.

Os Sensacionistas causaram {…}

 

Acrescentou-se assim ao nacionalismo fundamental dos saudosistas os múltiplos contactos culturais que a Escola de Coimbra {…}

 

 

[1] had been necessarily been, no original.

[2] (first phase) /(manner)\

Notas de edição

Classificação

Categoria
Literatura
Subcategoria
Sensacionismo

Dados Físicos

Descrição Material
Dimensões
Legendas

Dados de produção

Data
Notas à data
Datas relacionadas
Dedicatário
Destinatário
Idioma
Inglês

Dados de conservação

Local de conservação
Biblioteca Nacional de Portugal
Estado de conservação
Proprietário
Historial

Palavras chave

Locais
Palavras chave
Nomes relacionados

Documentação Associada

Bibliografia
Publicações
Publicações parciais: Fernando Pessoa, Páginas de Estética e de Teoria e Crítica Literárias, Textos estabelecidos e prefaciados por Georg Rudolf Lind e Jacinto do Prado Coelho, Lisboa, Ática, 1967, pp. 350-352; Paula Cristina Costa, As Dimensões Artísticas e Literárias do Projecto Sensacionista, Tese de Mestrado em Literaturas Comparadas Portuguesa e Francesa, Lisboa, FCSH – Universidade Nova de Lisboa, 1990, p. 328.
Publicação integral: Fernando Pessoa, Sensacionismo e Outros Ismos, edição de Jerónimo Pizarro, Lisboa, Imprensa Nacional – Casa da Moeda, 2009, pp. 158-159.
Exposições
Itens relacionados
Bloco de notas