Imprimir

Medium

Fundo
Fernando Pessoa
Cota
BNP/E3, 14C – 85
Imagem
Milton.
PDF
Autor
Fernando Pessoa

Identificação

Titulo
Milton.
Titulos atríbuidos
Edição / Descrição geral

[BNP/E3, 14C – 85]

 

Milton.

 

Desde Addison que se tornou lugar comum a atribuição a Milton, como sua qualidade principal e distintiva, a sublimidade. Achamos o termo infeliz, por exigir explicação. A explicação que exige é que o sublime de Milton é o sublime do pensamento, o sublime intelectual e não o sublime do sentimento, como em por exemplo Camões (que é destituído do sublime intelectual) e em Byron. Por isso julgamos notar mais explicitamente numa palavra o característico principal e distintivo de Milton quando dizemos que esse é a majestade. Com efeito, sublimidade dá a entender (talvez por defeito geral dos entendedores) um não |sei| quê de rasgado e de espasmódico, entre delirante e coerente; é pois palavra própria a insinuar[1] o sublime do sentimento, que não o da ideia. Ora em Milton a ideia é, quando não sublime, geralmente solene, vasta e {…}. O sentimento – isento dos rasgos e ímpetos que constituem o sublime nesse género – é solene também, é grave e placidamente grande. Não tem vôos como a ideia, mas tem, como ela o característico que ela em seus vôos não abandona – essa solenidade e vastidão. Achamos nós que a isto cabe melhor a palavra majestoso que a palavra sublime. No termo majestade englobamos pois a essência |indiscriminada|[2] do génio de Milton.

 

[85v]

 

Um dos elementos do extremo patético falta a Shakespeare. O sublime é a alma do seu sangue, e o sublime, por sublime ser, afasta-se um tanto do humano. Um relâmpago que num momento de horror nos revela cenas dolorosas, comoventes fá-las confranger, apavorar-nos. É precisa a luz de sol – destituída da |subitidade|[3] do relâmpago para no-las mostrar não confrangentes e apavoradoras, mas apenas comoventes, mas simplesmente dolorosas. O relâmpago alia a sua natureza àquela das coisas que mostra: o sol também. Assim o génio cuja natureza é o puro sublime transfigura tudo em sublime; o génio cuja natureza é o suave, o belo antes que o sublime, apresenta tudo {…}. As coisas tristes são mais tristes quando o seu elemento suave se {…}. As mesmas coisas tristes podem ser elevadas a sublimes mas o que ganham no elemento aflitivo (que |é| o elemento sublime) da tristeza, perdem|-no| no elemento suave (que é o seu elemento belo).  

 

 

 

[1] insinuar /sugerir\

[2] |indiscriminada| /inanalisada\

[3] |subitidade| /sublimidade\

Notas de edição
Identificador
https://modernismo.pt/index.php/arquivo-almada-negreiros/details/33/3240

Classificação

Categoria
Literatura
Subcategoria

Dados Físicos

Descrição Material
Dimensões
Legendas

Dados de produção

Data
Notas à data
Datas relacionadas
Dedicatário
Destinatário
Idioma
Português

Dados de conservação

Local de conservação
Biblioteca Nacional de Portugal
Estado de conservação
Proprietário
Historial

Palavras chave

Locais
Palavras chave
Nomes relacionados

Documentação Associada

Bibliografia
Publicações
Rita Patrício, Episódios - Da Teorização Estética em Fernando Pessoa, Braga, Instituto de Letras e Ciências Humanas da Universidade do Minho, 2008, pp. 369-370 [cf. Rita Patrício, Episódios - Da Teorização Estética em Fernando Pessoa, Vila Nova de Famalicão, Húmus, 2012, pp. 403-404].
Exposições
Itens relacionados
Bloco de notas