Imprimir

Medium

Fundo
Fernando Pessoa
Cota
BNP-E3, 103 – 2–5
Imagem
A Nova Poesia Portuguesa Sociologicamente Considerada
PDF
Autor
Fernando Pessoa

Identificação

Titulo
A Nova Poesia Portuguesa Sociologicamente Considerada
Titulos atríbuidos
Edição / Descrição geral

[BNP/E3, 103 – 2–5]

 

A Nova Poesia Portuguesa

Sociologicamente Considerada

 

I.

 

Ao movimento literário representativo e peculiar da nascente geração portuguesa tem sido feito pela opinião pública o favor de o não compreender. E esse movimento que, sobretudo na poesia, com crescente nitidez acusa a sua individualidade representativa, não tem sido compreendido, porque uma parte do público, a que tem mais de trinta anos, está inadaptalizável por já velha a esse movimento, consta, perante ele, de incompreendedores-natos; a[1] outra parte, por circunstâncias de bacharelosa espécie educativa, ou por descuidada na manutenção espiritual do sentimento de raça, ou ainda por sentimentos de falso entusiasmo gerados pela absorção na intensa e mesquinha vida política nossa, está colocada num estado de pseudo-alma descritível como sendo de incompreendedores-de-ocasião; e porque a outra, restante, aquela de quem são os nossos poetas e literatos e os que os acompanham no obscuro sentimento racial que os guia,

 

[3r]

 

não tomou ainda consciência de si como o que é, porquanto, o movimento poético actual ainda embrião quanto a tendências, nebulosa quanto a ideias que de si ou de outras coisas tenha.

Urge que – pondo de parte misticismos de pensamentos e de expressão, úteis apenas para despertar pelo ridículo que a sua obscuridade causa o interesse alegre do inimigo social – com raciocínios e cingentes análises se penetre na compreensão do actual movimento poético português, se pergunte à alma nacional, nele espelhada, o que pretende e a que tende, se ponha em termos de compreensibilidade lógica o valor e a significação sociológicas desse movimento literário e artístico.

 

II.

 

Em primeiro lugar, é evidente que aquilo a que se chama uma corrente literária deve de algum modo ser representativo do estado social da época – do país em que aparece. Porque uma corrente literária não é senão o tom especial que de comum têm os escritores de determinado período, e que representa, postas de parte as inevitáveis diferenças[2] individuais, um conceito geral do mundo e da vida, e um modo de exprimir esse conceito, que, por ser comum a esses escritores, deve forçosamente ter raiz no que de comum eles têm – que é a época e o país em que vivem ou a que pertencem[3].

 

[4r]

 

E se a literatura é fatalmente a expressão do estado social de um período político, a fortiori o deve ser, adentro da literatura, o género literário que mais de perto cinge, e mais transparentemente cobre o sentimento ou a ideia expressos – e esse género literário é a poesia.

Não é isto, porém, que de momento importa. Saber pela 1iteratura as ideias de uma época só pode ter interesse para a posteridade, que não tem outro meio de a tornar presente ao seu raciocínio. O que nos ocupa é saber se a literatura nos poderá ser um indicador sociológico, se nos pode ser ponteiro para indicar a que horas da civilização estamos, ou, para falar preciso[4], para nos informar do estado de vitalidade e exuberância em que se encontra uma nação ou época, para que, pela literatura simplesmente, possamos prever ou concluir o que espera o país em que essa literatura é actual. E é precisamente isto que a priori se não pode imaginar. |Logo, pois, que neste ponto se analise.|

Desbravemos, porém, o terreno, aclarando alguns termos essenciais, e simplificando, para não sermos longos, as condições da análise projectada.

Por vitalidade de uma nação não se pode entender nem a sua força militar, nem a sua prosperidade comercial, coisas secundárias e por assim dizer físicas nas nações; tem de se entender a sua exuberância d’alma, isto é, a sua capacidade de criar, não já ciências, o que é restrito[5], mas

 

[5r]

 

novos moldesnovas ideias gerais, para o movimento civilizacional a que pertence. É por isso que ninguém pensa em comparar a grandeza de Roma à híper-grandeza da Grécia. A Grécia criou uma civilização; Roma a estendeu em cidades e províncias. Temos ruínas romanas e ideias gregas. Roma é uma memória gloriosa. A Grécia vive ainda nas nossas ideias, nos nossos sentimentos; existe ainda, porque ao passo que Roma distribuiu maravilhosamente, ela maravilhosamente criou.

Servir-nos-ão de material para a análise duas nações apenas – a Inglaterra e a França; e isso porque, tendo essas uma unidade nacional, uma continuidade de vida e uma influência sobre a civilização que não são contestáveis, o problema se reduz à análise que desejamos fazer, exclusivamente, e eliminando a necessidade de fazer proceder as considerações sobre cada país, ou de uma análise da ideia de nacionalidade, como envolveria um estudo dum país heteromorfo como a Alemanha, ou de uma matéria diferencial da vida da civilização como implicaria um exame da literatura grega e romana. A escassez do material, porém, importa apenas quando a análise é superficial; ou porque se pour expliquer un brin de paille il faut démonter tout le système de l'univers, |ao rigoroso raciocinador basta, para explicar o universo, analisar profundamente o brin de paille que, como explica o dictum citado, envolve em si o sistema do universo.|

Tomaremos a Inglaterra e a França para material de análise. E tomaremos períodos nítidos, não estados literariamente embrionários, para o nosso estudo.

 

[1] a /porque\

[2] diferenças /peculiaridades\

[3] a /em\ que pertencem /se integram\

[4] preciso /clareza\

[5] restrito /(mecânico)\

Notas de edição

Versão manuscrita das secções «I» e «II» do testemunho impresso publicado por Fernando Pessoa com o título: «A Nova Poesia Portuguesa Sociologicamente Considerada», in A Águia, 2ª série, nº 4, Porto, Abril de 1912, pp. 101-107.

Identificador
https://modernismo.pt/index.php/arquivo-almada-negreiros/details/33/2304

Classificação

Categoria
Literatura
Subcategoria
Genologia

Dados Físicos

Descrição Material
Dimensões
Legendas

Dados de produção

Data
Notas à data
Datas relacionadas
Dedicatário
Destinatário
Idioma
Português

Dados de conservação

Local de conservação
Biblioteca Nacional de Portugal
Estado de conservação
Proprietário
Historial

Palavras chave

Locais
Palavras chave
Nomes relacionados

Documentação Associada

Bibliografia
Publicações
Exposições
Itens relacionados
Bloco de notas