logotipo Modernismo

  Arquivo Virtual da Geração de Orpheu

 

 

Madalena Nogueira

Oriunda de uma família açoriana, a mãe de Fernando Pessoa — Maria Madalena Pinheiro Nogueira — nasceu em Angra do Heroísmo, em 30 de Dezembro de 1861, mas com três anos veio de vez para o continente, morando primeiro no Porto e depois em Lisboa, onde o pai foi director-geral no Ministério do Reino. Mulher invulgarmente culta para a sua época, frequentou um colégio inglês na capital e dominava, para além do inglês, a língua francesa. Assídua leitora de livros, também escrevia versos (há exemplos destes in Manuela Nogueira, Fernando Pessoa: Imagens de uma Vida, Lisboa, Assírio & Alvim, 2005, pp. 31-32). Casou, em 5 de Setembro de 1887, com Joaquim de Seabra Pessoa, de quem teve Fernando e um segundo filho, Jorge (1893-1894), falecido menos de cinco meses após a morte precoce do pai. Em 30/12/1895 casou, em segundas núpcias, com o comandante João Miguel Rosa e no mês seguinte levou Fernando com ela para Durban, onde o novo marido acabara de assumir as funções de cônsul de Portugal. O casal teve cinco filhos, dois dos quais morreram na infância. Em 1911 mudaram-se — sem Fernando, já instalado em Lisboa — para Pretória, onde João Miguel Rosa foi cônsul-geral de Portugal. Após a sua morte (Outubro de 1919), a mãe veio com os filhos para Lisboa (Março de 1920). Debilitada devido a uma trombose cerebral sofrida em 1915, necessitava de cuidados especiais, vivendo inicialmente na Rua Coelho da Rocha, 16, com os filhos Fernando e Henriqueta (1896-1992), e depois com esta e o marido. Morreu em 1925.

 

Richard Zenith